PASSEIO DE BARCO ATÉ O CANIÔNS DO XINGÓ, EM CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO, SERGIPE

As opiniões sobre os passeios de barco pelos cânions do xingó, em Canindé de São Francisco, Sergipe, são, naturalmente, divergentes entre si, porém todos são unânimes ao afirmar que se trata de um roteiro obrigatório e lindo para quem pretende visitar em breve Canindé de São Francisco, em Sergipe. O tour que leva turistas abordo de um barco passa por belezas naturais verdadeiramente deslumbrantes, independente do horário, início de manhã ou final de tarde ao pôr do sol o turista conta com algumas das mais belas visões. Além do barco, o turista pode agendar serviços terceirizados de passeios de Catamarã.

O cânion de xingó teve origem graças a construção da represa do rio São Francisco. A engenharia humana criou ali uma paisagem impressionante onde prevalece o domínio de águas verdes e enormes rochas. É tudo muito lindo ao ponto de fazer o turista pensar que aqui tudo foi obra da natureza, mas não foi, tem mãos e ideias humanas em cada pequeno pedaço da criação do cânion. Um grande buraco de fundo azulado ladeado por rochas é a imagem máxima que o turista aprecia quando segue em direção ao cânion do lago Xingó, Canindé do São Francisco, em Sergipe.

Ao todo as formações de arenito e granito que serve como cenário do cânion segue por 60 quilômetros quadrados – o que é capaz de pegar todo o lago xingó. Cabe destacar, são rochas moldadas por mãos humanas ao longo de toda a margem. Se o visitante prestar bem atenção no alto das pedras aparece incrustada a imagem de barro envernizado de São Francisco. Trata-se de uma ligeira homenagem às águas do rio batizadas com o mesmo nome do santo. Ao longo dos passeios de barco é os barqueiros param o barco por alguns momentos para o turista fotografar não só o santo de barro, mas as formações rochosas e seus detalhes em consonância com o lago.

O que é hoje um cânion de sucesso entre os turistas, antes, há pouco mais de dez anos, era seco. Isso mesmo, o rio às margens de Canindé, distante 215 quilômetros de Aracaju, capital de Sergipe, foi totalmente seco. Antes da construção do cânion o lugar era todo coberto por uma vegetação particular ao agreste brasileiro. O grande ativo para a transformação total do lugar foi a necessidade de se ter ali uma usina hidrelétrica, o que transformou pra sempre a natureza do lugar. Dessa forma foi autorizado o alagamento completo da região – ele durou de julho a dezembro dos idos anos de 1995. Engana-se quem pensa que se trata de uma estrutura simples. Para se ter uma ideia em alguns pedaços do cânion os barcos que levam os turistas navegam por águas que atingem uma profundidade de 120 metros.

Uma amostra do êxito da engenharia humana na construção do lugar é o fato de que ao longo dos anos o entrosamento foi tamanho que o que antes era para ser uma paisagem artificial parece mais uma criação própria da natureza. Ali não há qualquer indício de artificialidade. Ao contrário, os turistas que não conhecem a história do lugar chegam a elogiar a beleza criada pela natureza. O passeio de barco pelo cânion é um dos preferidos dos turistas e moradores locais. É possível fazê-lo de lancha, barco ou catamarã. Durante o passeio os turistas entram em contato com lugares próprios para o banho, onde a água verdinha e morna brilha graças aos feixes de luz solar que as rochas deixam passar de modo entrecortado. Esse contato é feito em uma parada de uma hora, ali há até piscina no deck para as crianças.

Por